#RETROSPECTIVA: ACONTECEU NA ZAMBÉZIA EM 2017 [PRIMO RECORDZ]


Toda a matéria acabada vem sempre de um criador/projector e, com certeza, de algum lugar onde foi criada/projectada. Assim também acontece com todas as músicas que passam dos nossos ouvidos, dos mais variados estilos existentes – tem sempre um produtor e um estúdio – por de trás daquelas sonoridades que tanto nos viciam.

Olhando para o ano que está prestes a findar, concluímos que 2017 foi um ano positivamente anormal em temos de produção musical e um dos responsáveis por esta anormalidade foi o estúdio de gravação “PRIMO RECORDZ”. O estúdio localizado no bairro da Sagrada Família, na cidade de Quelimane, abriu nos meados do ano passado (2016) tendo como dono, o também músico “Primo D´Barros”. Na altura, Primo D´Barros disse à nossa equipe:

Senti-me obrigado a assumir o papel que ninguém mais assumiu durante anos. Trabalhar Profissionalmente na produção musical ao nível da Província porque, até então, os Artistas Zambezianos são obrigados a viajar de Província em Província a procura de um produtor e estúdio que os atendesse e isso aperta as finanças deles”.

Bom, a pergunta que vamos aqui responder é: Porquê atribuímos a culpabilidade à PRIMO RECORDZ, pela “explosão” da Música Zambeziana em 2017?

Para responder, vamos deixar que os factos falem por si:

  • Durante o ano, PRIMO RECORDZ sempre empenhou-se em estabelecer padrões direccionados a promoção da música local, através de aplicação de preços promocionais, mesmo representando prejuízo para si. Entretanto, Isso Permitiu que os artistas Zambezianos tivessem, no final de cada produção, um trabalho de qualidade.

  • Durante o ano, PRIMO RECORDZ sempre direccionou todas as receitas arrecadas na compra de materiais e melhoria da qualidade do ambiente do estúdio, garantindo um certo grau de comodidade do local, e o mais importante - qualidade recomendada e produções de padrão internacional - mais perto dos artistas locais;



  • Olhando pelos registos, neste ano foram trabalhadas naquele estúdio, cerca de 30 músicas (já lançadas/disponíveis para “consumo”) e quase o dobro deste número ainda permanece em privado. 
 Veja a seguir alguns dos artistas que optaram por trabalhar no estúdio em consideração:


Depois de todos estes feitos, há sempre quem poderá continuar com dúvidas sobre a qualidade material e profissional deste estúdio Zambeziano. Para este grupo de pessoas, recomendamos, no entanto, a contactar a dupla dos “10 Mandamentos” (BANDER E DYGO BOY) qual é a impressão que tiveram ao trabalhar nele.

Nós, cá deste lado, acreditamos que a abertura deste estúdio, abriu portas para a existência de trabalhos musicais de qualidade e com padrão necessário para competir musicalmente em todos os cantos do País do Mundo. Incentivamos a todos a pôr o pé no pedal.

Para terminar, convidamos-te a voltar a visitar-nos sempre e a partilhar os nossos artigos com todos com os quais poder fazê-lo.


Share on Google Plus

About Musika Nova

Se me conheces com base no meu passado, permita-me que eu me apresente novamente!